Depósito de cruzes

Dom José Pedro Conti

Conta uma velha história: um belo dia, São Pedro reclamou com o Senhor que a cruz que ele estava carregando era pesada demais. Eram muitas as responsabilidades, as cobranças, as críticas para aguentar. Todos lhe davam conselhos e lhe diziam como agir, mas, no final, não era muito fácil tomar as decisões certas. Assim São Pedro pediu a Jesus licença para trocar de cruz. – Se você quer assim – respondeu-lhe Jesus – venha comigo.

Então o Senhor o levou a um depósito cheio de cruzes de todas  as medidas, vários tamanhos e materiais. São Pedro ficou feliz. Largou a sua cruz num canto, e começou a experimentar outras cruzes. De imediato viu uma bem pequena, quis colocá-la no ombro, mas nem conseguiu levantá-la. Começou logo a duvidar do tamanho e do peso daquela cruz. Encontrou uma que parecia bem leve, mas era muito cumprida. Não conseguia andar; a cruz batia em todo canto e machucava o seu ombro.  Continuou experimentando várias cruzes. Todas tinham algum defeito: uma era pior do que a outra. Por fim, quando achava que tudo aquilo não ia dar em nada, viu uma cruz abandonada num canto. Coloco-a no ombro e... Nossa! Exclamou, era bastante pesada, mas dava para andar, e também cabia bem no seu ombro. Enfim era do tamanho certo, mesmo sendo difícil carregá-la.

Voltou com Jesus e disse: - Mestre, esta é a cruz que escolhi.

Jesus olhou para a cruz e deu um sorriso. Com o dedo mostrou-lhe o que lá estava esculpido: “Cruz de Pedro, filho de João, o pescador da Galiléia”. Era a cruz dele mesmo, não tinha como trocar.

Lembramos as palavras de Jesus no trecho do evangelho deste domingo: “Se alguém me quer seguir, renuncie a si mesmo, tome a sua cruz cada dia e siga-me.” (Lc 9,23). O que nós pensamos, quando escutamos falar na cruz de cada um? Talvez no destino, na sina ou em algo semelhante, que é imutável, como se tudo já estivesse decidido e nós não tivéssemos nenhuma possibilidade de redirecionar os eventos. Os antigos chamavam isso de “fato”, de onde vem a palavra “fatalidade”, isto é: algo que deve acontecer e que é impossível mudar. Refletindo sobre essas considerações podemos chegar a diferentes conclusões. Apesar de muitas coisas, realmente, não dependerem de nós, existem muitas outras que nós podemos construir e moldar, organizando-as e orientando-as conforme as nossas sucessivas escolhas. Quem acredita que tudo já esteja escrito em algum lugar torna-se “fatalista”. Deixa as coisas acontecer, vai atrás dos outros, sempre reclama da sua situação, mas pouco ou nada faz para mudá-la. Acaba sendo vítima de sua própria inércia. Outros assumem atitudes de eternos insatisfeitos. Reclamam de tudo. A vida deles é um verdadeiro inferno, nada presta. Se escapam da depressão, pouco fazem para mudar a própria situação. Digo isso porque assim como temos exemplos maravilhosos, temos exemplos tristes. Os bons exemplos vêm daquelas pessoas que, apesar de possuírem alguma deficiência, lutam para superá-la, ou para contribuir de alguma maneira com a sociedade.  No entanto outras, com perfeita saúde, acabam jogando fora as suas vidas, percorrendo os caminhos do alcoolismo, das drogas, ou da violência. Quantas pessoas vivem muito bem, superando obstáculos e dificuldades, revertendo situações adversas; e quantas outras, infelizmente, estão perdidas como se não valessem nada e pudessem ser descartadas.

Carregar a nossa cruz talvez signifique simplesmente aceitar, em primeiro lugar, a nossa condição humana. Não podemos fazer tudo, nem ganhar tudo. O que podemos fazer é usar bem os dons que recebemos; usá-los para fazer o bem. Isso é querer seguir Jesus. Estou convencido de que a cruz mais pesada não sejam tanto as dificuldades, ou as limitações físicas, ou intelectuais de uma pessoa, mas a incapacidade de amar e servir com generosidade aos nossos irmãos. É o mal que carregamos dentro de nós, o qual chamamos de pecado, que nos impede de sermos felizes e de fazer felizes os outros. Quanto mais insistirmos no mal, mais a vida se complica; fica mais difícil amar e sermos amados. Se fizermos sempre o bem e ajudarmos alguém a carregar a cruz de seu sofrimento, a nossa cruz também ficará mais leve. Unidos carregaremos muito mais e venceremos o peso do mal, das injustiças e das exclusões. Unidos aguentaremos as nossas cruzes no caminho da vida, abraçados a elas, sem querer trocá-las. Como Jesus, até o fim, por amor.

Dom José Pedro Conti
Bispo de Macapá/AP


 
 
  Site Map